sábado, 21 de setembro de 2013

Hotéis de 6 estrelas

Se imaginasse o que era ficar num hotel de 6 estrelas, pensaria talvez num quarto em frente à praia, com uma paisagem fabulosa! De preferência o hotel seria só para nós, um hotel privado, e já agora num local privado também, sem casas ou pessoas à volta. Ok, poderia haver animais (gosto de sentir a natureza por perto), e os ruídos da natureza ouviam-se dentro do quarto de noite, incluindo as ondas da água, as corujas, o vento. Ahh, e claro que queria estacionamento privado para o meu veículo mesmo à porta do quarto.  Para os nossos filhos, imaginaria um hotel com muito espaço, onde pudessem brincar à vontade, por exemplo ter uma varanda do quarto que desse diretamente para fora, e pudessem brincar na rua sem medo que fossem atropeladas ou de outros perigos - como a praia estava mesmo em frente, teríamos só que ter algum cuidado para não irem sozinhos para a água.

Foi mais ou menos um hotel desses que tivemos nos dois locais seguintes onde passámos, primeiro a Barragem do Alvito e depois a Barragem do Alqueva, simplesmente acampando à beira do rio, isoladamente do Mundo.

Como o Alentejo é habitualmente muito quente no Verão, tínhamos planeado pedalar com a alvorada e ao final da tarde. Tivemos sorte porque nesta semana o Alentejo não estava tão quente como isso, e acabámos por pedalar a qualquer hora. Isto facilitou muito a logística, porque começar a pedalar com a alvorada não era nada fácil. Arrumar a bagagem toda, incluindo todos os acessórios dos miúdos, ao mesmo tempo que temos que nos preocupar com o pequeno-almoço deles, pode levar algum tempo. Claro que podíamos ter apurado a técnica, mas as condições climatéricas desta vez não o exigiu.

Pré-pequeno-almoço do Manuel e Vasco no Varandas do Montado, Alcáçovas

Saímos de Alcáçovas pelas 11 e meia, após um pequeno almoço relaxado no café mais próximo e mais uns mergulhos na piscina. A meio caminho para a Barragem do Alvito havia Viana do Alentejo, onde íamos parar para almoçar, visitar o castelo e passear um pouco. Foram 18 km e não parámos até lá. Àquela hora estava calor e chegámos com sede.

Em Viana do Alentejo
Almoçámos num restaurante muito barato e bom (Churrasqueira  3 Bicas), onde comemos tanto que a perspetiva de continuar a pedalar de tarde parecia complicada.
Água, muita água!
Viana do Alentejo é uma vila bonita, com um castelo muito bem tratado e boa informação para turistas. Éramos as únicas pessoas por lá, e o senhor que toma conta daquilo descreveu-nos os principais pontos de interesse e foi abrir a porta da igreja para podermos vê-la. Depois do pequeno passeio a perspetiva de pedalar de barriga muito cheia já não era tão horrível e continuámos rumo à barragem.

No castelo de Viana do Alentejo
As bicicletas portavam-se bem com toda a bagagem. A minha e a da Filipa são bicicletas de montanha dos anos 90, ainda com algum equipamento original. O quadro destas bicicletas é particularmente bom e continua a ser bastante utilizado. É em aço, muito durável, mais confortável que o alumínio, sem tanta necessidade de amortecedores que pesam e podem ser uma preocupação adicional. Mas obviamente, não se vai tão descansado como com uma bicicleta mais nova e com garantias de qualidade... Sendo que fui eu, não exatamente um profissional, quem instalou a maioria do equipamento de gama não elevada.

Bicicleta carregadinha (o material aguentaria?)
Tinha delineado um percurso junto à barragem para irmos ver o local e, se gostássemos, acampar ali. Fiquei espantado quando, mais uma vez, o caminho estava bloqueado por um portão. Era propriedade privada, apesar de os mapas online o indicarem como um percurso possível. Depois da má experiência na Ribeira de S. Brissos, senti-me definitivamente revoltado por não se poder aceder livremente a um local interessante como é a Barragem do Alvito. Olhei melhor para a placa no muro ao lado do portão e vi que além do texto "Propriedade privada - entrada reservada a veículos com autorização do proprietário", havia um número de telefone escrito a caneta. Telefonei decidido a entrar. Atendeu uma senhora, que perguntou se íamos pernoitar ali, ao que respondi que estávamos a pensar nisso, e indicou-nos que poderíamos entrar por outro portão mais adiante. Interessante, esta forma informal de se poder visitar as coisas. Ficamos agradecidos aos proprietários, que deixam pessoas usufruir daquele local.

A telefonar ao proprietário pedindo autorização para entrar (Barragem do Alvito)
Já dentro da propriedade
O caminho de terra levou-nos pelo meio de um olival até outra cancela que apenas dizia "Feche" e depois finalmente à barragem. A Barragem do Alvito aparece como um oasis e projeta a beleza do Alentejo com a mistura do azul com o amarelo torrado do terreno e o verde escuro das oliveiras e azinheiras. Ao contrário de outras barragens (como no Alqueva, Zêzere ou Douro), o terreno é suficientemente plano para se conseguir ver o horizonte além das margens da água, dando essa impressão de oásis.

O caminho para o local em que tinha imaginado pernoitar estava invadido de vacas numa passagem junto à água. A Filipa, que tem medo de bichos em geral, recusou-se a atravessar a manada. Tentei ponderar se seria seguro fazê-lo, e tendo em conta que nunca tinha ouvido falar numa vaca a fazer mal a uma pessoa - exceto um caso na Índia que correu Mundo - achei que sim, mas a Filipa foi inflexível e ficámos por ali. O local tinha um aspeto paradisiaco e era adequado para montar tenda. Decidimos ficar.

Lá ao fundo, as vacas a "tapar" o caminho. "Nem pensar passar por ali!" dizia a Filipa

A sondar o terreno para o banho. As ervas não faziam mal
O Manuel e o Vasco foram direitinhos para a água. Eu tive que ir buscar a bagagem às bicicletas, que estavam relativamente longe porque havia uma vegetação com picos no chão e não quis arriscar ter furos (este "hotel" ainda não era dos com estacionamento privativo ao lado do quarto).

Bicicleta afastada dos picos
Montámos a tenda enquanto os miúdos brincavam por ali. Corriam e arranjavam brincadeiras com paus e pedras que apanhavam ou outros objetos do campismo. A sensação de liberdade era tremenda. Depois de um banho no rio fizemos o jantar e comemos. Como vínhamos de bicicleta, tivemos que poupar o mais possível na tralha, e os apetrechos para acampar estavam reduzidos ao mínimo, sem cadeiras, sem mesas, apenas um fogareiro pequeno... Mas demo-nos bem. Basta um prato e talheres para cada um, e tá feito. Até tem a vantagem de não sujar toalha e mesa, e acreditem que o Vasco trata de o fazer em qualquer local onde coma. A simplicidade tem vantagens.

A jantar

Preparados para dormir, a Lua ao fundo sobre a Barragem do Alvito
Já não acampávamos desde o Verão passado e não sabíamos como eles iam passar a noite. Correu sempre bem, talvez por gostarem de dormir no mesmo espaço que nós, o que normalmente não acontece. O Manuel adora acampar e nunca teve problemas em dormir em tendas. O Vasco, exausto, aninhava-se no seu canto. Quanto ao conforto, tínhamos comprado daqueles colchões individuais que se enchem por si próprios e que pesam e ocupam suficientemente pouco espaço, que cumpriram a sua missão.

Acordar naquele local foi esplendoroso. A paisagem matinal era linda e, isolados do mundo, parecia que estávamos numa terra distante paradisíaca. Só para nós.  Sim, gostamos muito de pessoas mas, vivendo na cidade, por vezes sabe bem o isolamento. As vacas outra vez por perto faziam-nos companhia.

Primeira visão do dia

Desmontámos as coisas e montei a bagagem. Partimos rumo ao Alqueva.


Anterior: De partida: a felicidade, a incerteza e O Efeito            Seguinte: Rumo ao Alqueva: entre cafés e uma surpresa

Sem comentários:

Enviar um comentário